domingo

por um instante, pensei que lá estivesses

ela escrevia cartas de amor e algumas tinham
o movimento da luz e das datas inteiras. entre elas
as mãos abertas e o antónimo delas mesmas, às vezes
sobre a mesa até pareciam verdadeiras. pensara muito nisto
e no lume quente do inverno a assinalar o ponto
mais seguro na casa. pensara muito nisto e nas pessoas
que se sentam nos passeios e inventam palavras e alugam quartos
na cidade. depois lembrou-se das putas e do sabor
das pastilhas e do algodão doce na boca, da eternidade
do homem e da maravilha de tudo parecer assim
maior quando se termina uma frase com um para
sempre, meu amor. ela pensara muito nisto e
na terra. disse-me uma vez que a terra e o corpo
eram dissolúveis num tempo comum a todos e que era só isso
que importava que não queria explicar-se que era já noite
que tinha ainda que caminhar muito até chegar
ao outro lado da rua.

22 comentários:

isis imeno ♥ disse...

Está um gelo na rua. Fico em casa e tomo um chá; saio à rua e bebo um café bem quente, que me aquece o corpo.

A ti.

bruno disse...

brilhante.
(há aqui versos e "transportes" que mudança alguma pode tornar mais certeiros)

Graça Pires disse...

Fico a pensar muito neste poema excelente... Um beijo.

sophiarui disse...

"não queria explicar-se que era já noite"

gabriela rocha martins disse...

atravesso ruas ,praças ,jardins à espera de encotrar

de novo

uma palavra TUA

porque há outras que não se esquecem

POETA



.
um beijo ,princesa Aïda

M. disse...

isto tem o ritmo mais bonito.

Criação de Sonhos disse...

graciosa, desajeitada, harmonia apalavrada... só tu aida, no teu jeito enamorada... adoçicas-me a saudade com algodão eterno, maravilhas-me o sol e a ligeireza da rua, dás-me vontade de chegar lá... dás-me vontade

Beijo
JLJ

menina tóxica disse...

está para aqui uma polva deliciada com estas palavras mais lindas.

(agora que está frio e tal, e as mãos estão sempre nos bolsos dos casacos, vou aproveitar para o levar comigo. assim, sem ninguém ver nem reparar. xiuuu)

:)*

dora disse...

saudades deste assim dizer o antes e o depois das palavras.

Susana Miguel disse...

um beijinho, isis.
e que bem sabe algo quentinho com este frio. é muito bom receber-te cá;)

Susana Miguel disse...

um abraço, bruno.
talvez tenhas razão;)

Susana Miguel disse...

obrigada,graça.

um beijinho também para ti:)

Susana Miguel disse...

pois é, sophia (...) eu sei que tu me entendes.

um beijinho;)

Susana Miguel disse...

um beijinho muito grande, princesa.
às vezes também tenho saudades (...)sabes, é muito bom ver-te chegar sempre com essas tuas palavrinhas.

Susana Miguel disse...

obrigada, m.

vem sempre a este cantinho:)

Susana Miguel disse...

um abracinho muito grande e dentro dele todas as coisas que não se dizem por serem maiores.

beijinho e que essa vontade nunca nos falte;)

Susana Miguel disse...

olá-menina-tóxica-de-mãozinhas-nos-bolsos;) leva, leva as coisinhas todas que quiseres (que eu não vê nadinha)e traz mais palavrinhas;)

Susana Miguel disse...

um abracinho, dora.
dizes bem (...) o antes e o depois das palavras.

portallisboa disse...

O portallisboa (www.portallisboa.net) e a Chiado Editora anunciam que estão abertas as inscrições para a participação na obra “Entre o Sono e o Sonho “ – Antologia de Poetas Contemporâneos. Consulte o regulamento em: http://www.portallisboa.net/modules.php?name=sonosonho

C-ASA disse...

priemira visita e já li muitos poemas desta casa.

gosto das tuas palavras e da maneira como as palavras gostam de ti.Têm a velocidade do coração plantado no mundo.

aida disse...

obrigada, c-asa (...) fiquei sem palavrinhas para essa frase linda a velocidade do coração plantado no mundo.

volta sempre e um grande abraço.

materials disse...

kayak6751
flytian
sunce026
taishici
lvmeng565